O número de internações hospitalares neste momento é quase o mesmo de quatro meses atrás: 546 no total, 70 em unidades de terapia intensiva.

Alexandre Lourenço, presidente da Associação dos Administradores Hospitalares, afirma que ainda não há motivo para preocupação, mas frisa que é necessária uma coordenação mais eficaz dos serviços para não comprometer o atendimento a outros doentes.